sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Boa Noite

Chove tanto. Os pingos caem em várias direções, não sei se devido ao vento ou por vontade própria. Também não sei se são eles mesmos que escolhem suas cores ou a sua morada nebulosa que determina se estes serão verdes, estes azuis, estes amarelos e outros roxos.

Cada toque ao chão destes mínimos pingos, faz passos de elefante serem suaves como a voz de um anjo. Mas não é um som ensurdecedor, é algo que é possível conviver após os primeiros dez minutos de chuva, quando o susto é maior que o barulho.

Odeio quando chove, porque os pingos deixam tudo manchado, as suas cores são bonitas no ar, mas na parede da casa sempre são problemas. Ainda mais porque creio que eles começam a corroer a parede, pois toda vez que eles caem minhas paredes começam a se desmanchar.

Amo quando chove. As cores lá fora me fazem muito bem. E na verdade até consigo dormir com tantas coisas e cores acontecendo, isto nunca foi um problema. Amo dormir com uma caléidoscopio pessoal.

Um comentário:

Ana Carolina disse...

Eu gosto de chuva... das cores.. adoro o cheiro da chuva... gosto de tomar banho de chuva... tem alguma coisa na chuva que eu acho que exorciza... gosto de andar na chuva olhando pra cima... e amo dormir com chuva... e a metáfora do caleidoscópio pessoal, não poderia ser mais certa...

Que bom que voltastes a escrever coisas assim... teus últimos textos me 'soaram' raivosos...

te cuida rapaz... =*