quinta-feira, 29 de março de 2018

Ritual Oculto

Sinos enquanto as pernas gotejam de vontade
em cima de anjos profanos que são tudo e de repente
não são mais nada.

Encantamentos, papiros e cachimbos no encontro
do bode
o escorpião
e o sapo.

Estamos ébrios.

Os dedos e as patas e os cascos tocam, aceitam e recusam,
São choques, são nuvens, são sorrisos calados,
São passos nervosos, são venenos que curam,
são limpeza, independência, possível depêndencia.

Não dispenso.

Mesmo sem saber por quem os sinos dobram,
Faço.
Faço so pela certeza ainda excusa que precisar ser,
Não consigo entender a magia sem pensar no processo. 

Corre o rio que deságua em mar,
Corro  risco do vicio.

E mais...

Você é meu porteau
Tua insegurança alimenta meu medo.

Armei a tenda de maneira confusa.

Não consigo decifrar teu olhar,
Entro de cabeça, vou fundo, me falta o ar,
volto a superficie e ainda sem respostas quero mais.

Teu toque abrem sorrisos
teu cheiro lança pela extratosfera meus desejos da terra.

Quero o que não é.

Ainda sou figa.

Quero mais. 

terça-feira, 27 de março de 2018

Boca Olho

I

Na pele

Hoje confesso, quando olho, quero boca.
Quando boca, as vezes seca, outras sorrindo,
       Algumas úmida, quero olhos.

Antes da pele fui papel, antes do papel foi encontro,
paralelas paradas sem nome que se cruzaram se olharam
       foram olhos antes de ser boca.

Naquela noite meus sentidos inverteram,
Queriam provar com os olhos, aprender com a boca,
Quando achei que se perderam,
Na verdade era caminho.

Hera que subia nas paredes do peito,
 
  Veneno de cura
   longe da culpa
     perto da lua
      buscando ser tua
       na ideia que julguei mútua.

II

Ansiedade de quem é terra e não sabe ficar sem chão.
O medo pertence ao futuro e por isso não o tenho.
Meu futuro é presente que queima.

TERRA

A única possibilidade que é lema,
É o leme que guia a certeza desse tema.
Não perderei sua amizade.
O conhecimento trás verdade,
Permite viver em liberdade.

Baphomet
Prometeu
Anjos caídos

FOGO

Me liberto quando amo o que existe.

Escrevo porque não cabe mais em mim,
Não tenho vergonha, não tenho medo,
Tenho pele que rasga,
Tenho carne que dilata,
Tenho ansiedade que quase mata.

Não na expectativa da tentativa febril
Mas na vontade que exala e só agora fala.

O amor é segurança
É confiança
É presente é pavil
É de paz é sutil

Genuíno canino tanino

Confiável

Afável

Inefável

III

Ângulos
45 graus
Vértices

É parte inteira
São três
São um

Equiláteros
Isósceles
Escalenos

Tríades
Tripés
Tríplice

Plásticos
Históricos
Sonoros

Visuais
Educacionas
Musicais

Propostas
Fritações
Nuances

Carinho
Verdade
Genuíno

Somos todos
Só troca
Sem troco

Existe vontade
Sem obrigação

Existe verdade
Como solução

Como solução
Como soluços
Como soluções

Engulo

Um, Um, Um
Três
Um, Um, Um

Não é de sim
ou de não
É de verdade.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Caí

Com as mãos no chão olhei para cima sem ainda entender o que havia acontecido.

Sentei, olhei passar a vida e precisei levantar ainda sem forças. 

O caos, o dinheiro, as angústia e dificuldades da vida com prédios altos e esmagadores. 

A cidade, a poluição, as ruas cinzas e apáticas.

É preciso fazer dinheiro. 

É preciso fazer dinheiro e ser feliz, mas dinheiro não traz felicidade. 

É difícil fazer dinheiro e ser feliz.

Levanto ainda sem forças, não sei nem se quero reagir, na verdade to pensando apenas em seguir. 

Seguir como sempre fiz, calado, absorvendo o aprendizado lentamente. 

Pensando minuciosamente, querendo desistir, mas sabendo que essa é a única não-opção. 

Primavera e enfim verão. 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Pernada

Corpos marchando sonolentos com
cérebros vazios e ainda melancólicos sob a bruma matinal de inverno
após uma semana de chuva.

A desolação dos passos do ganha pão em pensamentos
nostálgicos  sobre ser feliz.

Esquinas silenciosas perfumadas por tabaco cancerígeno e cafés apressados que
queimam a línguas e mancham ternos.

Anjos com cara de palhaços sobrevoam as almas perdidas da
grande avenida em busca de qualquer atenção.

Grupos de Hare Krishnas desacreditados acendem seus cigarros em busca do uno primordial.

Estudantes lascivos sentam-se
nas grandes escadas para flertar e matar aula.

Jovens de cabelos lisos e sorrisos brancos falam ao mesmo tempo
e sobre nada.

Correndo e fugindo apresso o passo desviando de gravatas e 'happy hours' mentirosos
com colegas da repartição que você aprende a tolerar e a mentir sem pensar.

Digito a senha como o prisioneiro que conhece
o código da própria jaula na cidade e após
quatro lances de escada para o mais próximo
do paraíso nos dias longos e cinzas e impessoais.

O imaculado sagrado apartamento com um altar de paz e refúgio
onde as energias são recarregadas a fé na humanidade é momentaneamente deixada de lado
para reconhecer o cheiro e as cores a fumaça e a poeira.

Enfim em casa.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Naquela Grama

Com a visão de árvores rendadas,
Vitrais de galhos e folhas,
Não fui nem passado nem futuro,
Era ali o presente,
A paz do existir apenas no agora.

Esvaziei-me de pensamentos e de sensações, 
Fui apenas uma consciência ou até minha própria ausência.
Não obtive nem perguntas tão pouco respostas.

Fui paz e serenidade, 
Fui natureza,

Eu fui apenas o instante.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Percussa

Processo de descoberta
Poética estética sexual
Da cor no tom na dor

terça-feira, 14 de março de 2017

Seguindo

A ansiedade dos anos que se passam de um tempo que nunca é presente nem futuro,
A cor da idade cinzenta, dos anseios que surgem,
Digo enfim:
- Segue teu coração.