segunda-feira, 27 de abril de 2009

Em

O amor é bom! Isto é uma afirmação que posso fazer com veemência, quem não gosta de amar, ser amado? Todavia, em parte o amor é tristeza, ele não é homogêneo, nunca uma constante, também não precisa ser vivido com variáveis e pressupostos, a de ser encontrado um equilíbrio entre os altos e baixos da vida. 

As variações possíveis e inevitáveis correspondente a idiossincrasia de nós indíviduos. 

Amar é sofrer por amar, é ser triste, aquele que ama é triste, o amor é a alegria mais triste que existe. Era para ser uma dor sem feridas, uma tristeza mansa, sem verdadeiro sofrimento, o que às vezes se torna impossível. Nada melhor pra vida do que um amor.

Em partes amor é tristeza. Na vida quem sofre ama.

2 comentários:

Carolina Matos disse...

no fim eu lembrei de um texto meu que terminava assim...

"amar sem poder ter, e quando ter não poder amar..."

nunca sei se amar é simples, ou complicado. queria que fosse simples, ou saber simplicar...

=*

Carolina Matos disse...

no caso seria "simplificar"... hehehehe