quinta-feira, 2 de abril de 2009

Tristeza

De todos os sentimentos que nunca me deixaram, nunca foram embora, por bem e para o bem, você está sempre aqui, ali, adormecido de outra vivaz, todavia sem nunca sair do seu espaço, guardado desde quando dataram meu nascimento, há anos que já me fazem um jovem velho de outrora, porém você, a quem devo os surtos criativos e também a falta destes surtos, pois, como és imprevisível minha querida, nunca sei o que lhe passa para seu surgimento, e como você irá me influenciar, a vida a seu lado no minímo é uma vida de surpresa, muita vez agradável muita vez não.

És completa e totalmente diferente do sofrimento, que não traz benefícios, que é a dor pela dor, sem ensinamento, sem frutos maduros, comestíveis e coloridos, confesso que sua cor as vezes preta as vezes azul, depende do hemisfério, não é sempre a mais bela, entretanto o que traz consigo é sempre o mais esplêndido, as melhores trilhas sonoras e comparativos, pois afinal do exposto advém sempre o que queremos escutar ou o que temos de escutar.

Contigo nasce o melhor de mim, nasce o que realmente aprendi e perdi, uma renascença um modernismo, um pastiche do melhor da aurora da minha vida.

2 comentários:

Carolina Matos disse...

é... eu tenho esses sentimentos que nunca vão embora... enganam, e dormem, aí em uma palavra, gesto ou olhar despertam e eu nunca sei quando é bom ou ruim, qndo interpreto errado os sinais das coisas...

gosto de pessoas que me fazem sentir melhor... enfim...

que bom que retornastes aos textos poetinha..

=*****

bender disse...

blog por mais que seja na internet pra todos lerem, é algo muito pessoal escrevemos oq queremos e pra quem queremos, quem ler (isso se alguem ler) que tire suas próprias conclusões. Eu tirei as minhas nesse texto. Massa!