quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Baile

Gargalhadas no fundo do Salão.
Sinto elas batendo na minha face.

Altas, graves, humilhantes.

Confetes são pedras no meus ombros.
Medo que as serpentinas virem forcas.

Não sei se Pierrot ou Arlequim.
Mas de bela a Colombina tem de péssima.

Carnaval das alegrias.
Amor de carnaval, beijo no salão.

Amores que deixam corações no chão.

Charangas, palhaços, bailarinas.
Pipoca, algodão doce, embriaguez.

Gargalhadas no fundo do Salão.
Sinto que são todas para mim.

Um comentário:

Carolina Matos disse...

Égua!!!! Definitivamente um dos mais bonitos...tava com saudade dos seus textos poetinha ;D

=*******