quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Outras Esquinas

Em São Paulo. A grande metrópole, o coração comercial do Brasil, a cidade onde tem tudo o que você quer, onde você está abastecido das últimas notícias de arte, moda, cultura, gastronomia. Mas falta o calor. E como paraense de Belém, não é o calor metereológico que falta e sim o calor humano.

Andei na avenida paulista em todos os horários possíveis, desde dez horas da manhã até quatro da madrugada, e não querendo parecer romântico nem poético demais, às quatro da manhã quando eu estava completamente sozinho eu me senti do mesmo modo quando desviava das pessoas ao meio dia.

A cidade dos solitários, onde o que Renato Russo disse é verdade, o grande "mal do século é a solidão". Percebo o quanto maior a cidade, maior sua população, maior sua tendência a ser solitário, a vagar por esquinas em busca de algo que ainda não chegou como no complexo de Fernando.

Entretanto, como Fernando, acredito que seja possível achar aqui o real valor, a verdadeira alegria de viver, a sua motivação. Mais difícil devido ao número de pessoas? Não sei. Se ele existe vai existir em qualquer lugar. Afinal ele é seu, pertence a sua individualidade ao seu sentimento.

Um comentário:

Carolina Matos disse...

"às quatro da manhã quando eu estava completamente sozinho eu me senti do mesmo modo quando desviava das pessoas ao meio dia."

Essa parte eu entendo completamente... esse é um dos sintomas do "Complexo de Sofia"...

Saudade.

=*