quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Tudo (de) Novo

Lembro-me que naquela noite em três momentos fui ao banheiro para ensaiar meu discurso de coração aberto, quando ali colocava mais uma vez a intuição, o sentir à frente da razão que nada mais é que a responsabilidade emocional, a consciência de que nem todas as viagens devem ser feitas; MAS QUE SE EXPLODAM OS IMPULSOS DA RAZÃO!, hoje quem há de viver e reinar é a emoção, logo me dirigijo ao momento crucial de entrar em cena, quando todas as palavras pareciam penas, e o medo da rejeição, medo único sobre aqueles que vivem o signo da paixão já se fora dos meus olhos, e sob minha língua se desfazia a pílula da coragem e do amor da perfeição, todavia como se nada fosse combinado, como se o destino não conspirasse pra lá, para ali e para cá, jogando areia nos seus olhos e logo no meu peito, ele surge, Morpheus te leva para o único lugar que eu não posso te acompanhar neste momento de puro êxtase que vivo agora, quando o reino dos sonhos hoje não me permitira entrar sem convite, as costas são as únicas coisas que posso deixar-te e a certeza que esta noite eu enfim poderia dizer...Você a única razão que ainda me faz ter vontade de sair de casa para ver o dia, a expectativa de te ver faz meu coração sedentário virar atleta, por mim eu parava hoje e fazia deste hoje o amanhã de depois e depois.

5 comentários:

ibasela. disse...

muito bonito, amigo!

Natália disse...

Gostei muito do texto. As palavras escolhidas a acompanhar um ritmo dançante. Muito bonito. :)

Paulinho Tamer disse...

Meu amigo essa prosa é demasiadamente a cara do Roquentin. Que explode a razão em beneficio da sua emoção, que como disseste, é quem deve reinar.

Continue.

absinthe disse...

belo texto. gostei daqui. vou voltar outras vezes. :-)

Karolina Hugo disse...

A emoção é o que deve reinar. ótimo texto!