domingo, 29 de maio de 2011

(A)final

Depois daquela discussão sobre certo, errado, o fim, foi esquecido que o motivo destas dores foi o durante; quando as decisões eram tomadas, você fazia o que queria, teve prazer à flor da pele, tanto que seus gemidos ainda ecoam no meu travesseiro e fazem a hora de dormir terrivelmente atribulada, quando fecho os olhos, a visão cede espaço, tão monopolizado, aos outros sentidos que invadem minha memória, com cheiros, palavras e sabores, fortes, amargos e brutalmente reais. A carne ferve quando o sangue sobe, as mãos se perdem no desejo que consome o corpo, as pernas tremem, a boca saliva, quero estar em você.

5 comentários:

Ruan Antoni disse...

seguindo e gostando :)

Morgana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Morgana disse...

Olá (=
Adorei teu blog, escreves de uma forma tão comovente... que me comoveu profundamente, hehe.
To seguindo, coração.
Se tiveres tempo, dá uma passadinha no meu: http://bemvocesabe.blogspot.com/

Beijos querido ;*

JanaFerraz disse...

Isso acontece frequentemente com o amor, o mesmo que nos completa pode nos deixar uma lacuna enorme.
É uma via com duas mãos.

JanaFerraz disse...

Isso acontece frequentemente com o amor, o mesmo que nos completa pode nos deixar uma lacuna enorme.
É uma via com duas mãos.